Notícias

Câmbio freia investimentos no setor de lácteos

26, setembro, 2006

Os altos investimentos dos laticínios em 2005 - da ordem de R$ 350 milhões - caíram pela metade neste ano, seguindo o ritmo das exportações...

Os altos investimentos dos laticínios em 2005 - da ordem de R$ 350 milhões - caíram pela metade neste ano, seguindo o ritmo das exportações, que também tiveram suas projeções reduzidas em 50%, diante de um câmbio que não deixa o produto brasileiro competitivo no mercado internacional. As principais bacias leiteiras do País - Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná - receberam aportes para a construção ou ampliação de unidades que aumentaram em 30% a capacidade instalada nas plantas de leite em pó e 80% para o leite condensado. Boa parte deste incremento na produção estava destinada ao mercado externo, pois as projeções eram de uma receita cambial de US$ 300 milhões para 2006. Nos últimos cinco anos, a taxa de crescimento médio anual das exportações de lácteos era de 24%. Para 2006, a previsão é de, no máximo, 15%. Com as projeções revistas, o setor espera apenas US$ 150 milhões em vendas externas e amarga prejuízos e capacidade ociosa. A previsão é que apenas no Sul do País sejam aportados recursos para a ampliação de unidades, em valores que correspondem a 30% a 50% do que foi aplicado no ano passado em todo o País. Segundo o vice-presidente do Conselho Nacional da Indústria de Laticínios – Conil, Cícero de Alencar Hegg, grande parte das indústrias já havia feito os investimentos em 2005, não necessitando ampliá-los agora, e algumas já tinham previsto aplicar os recursos somente em 2006. Apenas no Rio Grande do Sul, três empresas estão investindo atualmente em plantas industriais: a Nestlé, a Embaré e a Cooperativa Central Gaúcha de Leite - CCGL, além das ampliações ocorridas no ano passado, com aportes da Elegê Alimentos, da Cosuel e da Cooperativa Riograndense de Laticínios e Correlatos Ltda - Corlac. Apesar disso, algumas, como a CCGL, já revêem suas estimativas de produção, diante do novo cenário cambial. Pelos cálculos de Hegg, com o que foi aplicado no ano passado no parque industrial, o pecuarista poderia aumentar em 20% a produção leiteira, além do pico da safra, que as empresas ainda teriam sobra para a atender a demanda de processamento de lácteos. "Estamos prontos para o Brasil crescer, mas pelo jeito, estamos perdendo o bonde", afirma Hegg. Pelos cálculos do setor, metade do aumento da capacidade instalada de leite condensado era destinada à exportação e entre 30% a 50% do incremento na produção de leite em pó seria embarcado. "Nossas expectativas para as exportações estão aquém", diz Hegg. Apesar da aposta nas vendas fora do Brasil, o vice-presidente do Conil diz que os investimentos também comportam o mercado interno, pois atualmente o consumo per capta de leite é de apenas 134 litros por ano, enquanto em outros países chega a 200 litros por ano. "Temos de ter um mercado interno forte para conseguirmos escala e podermos exportar", explica Hegg.
Fonte: Selectus, 2.592, 26/09/2006, Gazeta Mercantil

Voltar

ABIQ Associação Brasileira das Industrias de Queijo

Praça Dom José Gaspar, Nº 30, 10º andar
01047-901 - São Paulo - SP
Tel.: (11) 3259-9213 / 3259-8266 / 3120-6348