Notícias

Desafios para a indústria de lácteos, é falsa a narrativa de que a década foi ruim para os lácteos

04, fevereiro, 2020

 
No Fórum de Lácteos da Associação Internacional de Alimentos Lácteos (IDFA), nesta semana, o presidente e CEO Michael Dykes falou dos desafios que os laticínios dos EUA enfrentam, incluindo inovação de produtos, falências e criação da indústria para um futuro sustentável.
 
Nos últimos 15 anos, as exportações de lácteos dos EUA triplicaram, tornando o País o terceiro maior exportador de laticínios do mundo, atrás da Nova Zelândia e da União Europeia (UE). Mas a indústria ainda luta contra guerras comerciais voláteis, preços baixos e concorrentes alternativos.
 
Desde novembro, as empresas de leite em pó Dean Foods e Borden Dairy foram à falência e a Fairlife foi vendida para a Coca-Cola Company. No Fórum da IDFA, Dykes disse que esses acordos financeiros deixaram a indústria com muitas perguntas sobre o futuro. "Veremos mais mudanças nos próximos cinco anos do que qualquer outra experiência nos últimos 15 anos. Continuaremos a ver consolidação em toda a nossa indústria”, afirmou ele.
 
Atualmente, existem vários licitantes para a compra da Dean Foods e uma atualização sobre a transação é esperada para fevereiro.
 
Abraçando a mudança e a tecnologia agrícola
 
Mas, apesar das falências, a confiança dos consumidores nos lácteos está em um nível histórico. Dykes acredita que houve uma falsa narrativa de que a década passada foi ruim para os laticínios, quando na verdade ocorreu o oposto. "Sinto que estamos em um novo momento no setor de laticínios e acho que produtores e processadores estão começando a confiar mais uns nos outros. Acho que eles estão começando a pensar na viabilidade a longo prazo do setor", afirmou.
 
Dykes observou que o consumo total de laticínios per capita aumentou 6%, mas as pessoas não consomem mais laticínios da mesma maneira. O consumo de leite fluido está inegavelmente baixo, as pessoas estão comendo laticínios mais do que estão bebendo. Eles mudaram para lanches e bebidas com benefícios adicionais. “O futuro está na inovação. Precisamos continuar inovando para permanecer à frente e permanecer na lista de compras do consumidor”, afirmou Dykes.
 
Ele apontou os leites filtrados, como Fairlife e Darigold Fit, o leite com chocolate da Slate e os salgadinhos de queijo da Sargento como inovações bem-sucedidas de produtos lácteos que devem ser usados como exemplos no futuro. "Nós não vamos parar a mudança, nem a tecnologia. A questão é: como vamos adotá-lo e o que vamos fazer com ela?”, ele perguntou.
 
Os produtores devem continuar focando no aumento da produção com novas tecnologias, genética melhorada, tratamento responsável das vacas e uso sustentável dos recursos naturais. Sensores inteligentes, robótica e avanços na genômica de plantas e animais já começaram a mudar a produção de alimentos e agricultura.
 
Atualmente, os laticínios americanos estão produzindo o dobro de leite hoje do que há 50 anos, com metade das vacas leiteiras e em menos terra. Dykes disse que a produção de leite cresceu 51% nos últimos 30 anos, enquanto a produção de CO2 caiu 9%.
 
Poder na diversidade e sucessão
 
O mercado de exportação de lácteos dos EUA cresceu para US$ 5,5 bilhões em 2018 e 2019 deve ter superado isso. Estima-se que a produção total em 2028 seja outros 15% maior, de acordo com o USDA, que equivale a cerca de 15 bilhões de quilos de leite.
Dykes disse que combater esse valor se resume à criação de produtos que os consumidores desejam e de oportunidades para aumentar as exportações. O IDFA está colocando um forte foco no comércio este ano, à luz dos recentes acordos assinados com ChinaJapãoCanadá e México.
 
A China representa um mercado de US$ 23 bilhões para produtos lácteos dos EUA no futuro, de acordo com o IDFA. Dykes incentivou os que estão no setor de laticínios a fazerem suas vozes serem ouvidas pelos representantes locais de política comercial. "Precisamos ter uma coalizão ampla, diversificada e urbana que possa influenciar os formuladores de políticas nesse cenário demográfico em mudança", disse Dykes.
 
Para defender uma indústria de laticínios saudável, ele disse que é responsabilidade da indústria de laticínios “comunicar-se frequentemente com os formuladores de políticas, oferecer orientação e apoio, e levá-los à conversa para que vejam os empregos, a inovação e o impacto em seus estados e distritos.”
 
Dentro da própria indústria, Dykes falou da importância de aumentar a diversidade, observando o sucesso da Women In Dairy Network, lançada recentemente pela IDFA. A organização também está considerando planos de sucessão a longo prazo para executivos de laticínios da próxima geração.
 
"Vamos ter uma grande rotatividade neste setor e precisamos garantir que estamos preparando líderes, porque uma coisa certa é que todos estamos apenas passando por aqui", disse ele. “Os laticínios devem evoluir de um negócio de commodities, perseguindo volumes em declínio e servindo um punhado de produtos básicos, para um negócio de valor agregado que atende às necessidades das pessoas em todos os lugares. Em outras palavras, precisamos mudar para fazer o que podemos vender, em vez de continuar tentando vender o que fazemos.” 
Fonte: Dairy Reporter, 04/02/2020, traduzido pela equipe Milk Point

Voltar

ABIQ Associação Brasileira das Industrias de Queijo

Praça Dom José Gaspar, Nº 30, 10º andar
01047-901 - São Paulo - SP
Tel.: (11) 3259-9213 / 3259-8266 / 3120-6348