Queijos na Nutrição

Queijo, alimento completo

 
O queijo, em suas variadas versões é um alimento de ALTO PERFIL NUTRICIONAL. É importante fonte de proteínas de alto valor biológico; em muitos países complementam ou substituem a carne. É também fonte destacada das vitaminas A, D (tão em falta nas pessoas hoje) e de vitaminas do complexo B (B2,B9 e B12), além de ser fonte essencial de cálcio e de outros minerais importantes como fósforo (em geral o teor é próximo ao teor de cálcio, zinco ( 2 a 10mg/100g), potássio (100 a 200mg/100g) além de iodo e de selênio.
 
O queijo, em suas diferentes formas, é um alimento de sabor versátil, de emprego fácil para aplicação na culinária doce e salgada (pode ser um pedaço de queijo puro) e de custo proporcionalmente baixo.

Queijo 3 vezes ao dia para uma vida mais sadia

Quando consumidos 3 vezes ao dia contribuem eficazmente para o atendimento diário das necessidades de cálcio e vitamina A de pessoas de todas as idades.
 
Na infância, o consumo de queijos cumpre importante papel na formação e desenvolvimento de ossos, dentes e cartilagens além de ser extraordinária fonte de proteínas vitais para o desenvolvimento intelectual.
 
Na adolescência, algumas pesquisas indicam que muitos adolescentes consomem menos de 2/3 das quantidades diárias recomendadas (RDA) de vitaminas A e C, cálcio e ferro. Os queijos podem contribuir eficazmente para o atendimento diário das necessidades de cálcio e vitamina A.
 
Na fase adulta, gestação, atividades físicas constantes e envelhecimento requerem observância no suprimento dos níveis de proteínas, vitaminas e minerais, cálcio em particular. Osteoporose, anemia e manifestações clássicas deficiência de vitaminas são constantes no histórico de idosos. Também nesta fase, os queijos são fonte alimentar importante desses nutrientes.
 
Perfil nutricional dos queijos
 
Crianças de 4 a 10 anos
 
Cobertura das necessidades diárias recomendadas, dadas por 100g de diferentes queijos (3porções de 33g)*
Queijo
Energia Kcal
Proteínas
g
Cálcio
mg
Vitaminas A mcg
Cheddar
21%
62%
90%
61%
Cream Cheese
17%
20%
10%
ND
Minas Frescal
12%
45%
88%
54%
Mussarela
16%
65%
75%
48%
Parmesão
18%
92%
147%
35%
Fundido Pasteurizado
16%
35%
70%
47%
Prato
18%
63%
87%
51%
Provolone
17%
68%
75%
53%
Requeijão
15%
18%
71%
ND
 
Adolescentes de 11 a 18 anos
 
Cobertura das necessidades diárias recomendadas, dadas por 180g de diferentes queijos (3 porções de 60g)*
Queijo
Energia Kcal
Proteínas
g
Cálcio
mg
Vitaminas A mcg
Brie
22%
50%
28%
36%
Cheddar
28%
60%
108%
17%
Cream Cheese
24%
19%
12%
ND
Minas Frescal
16%
43%
105%
54%
Minas Padrão
22%
58%
96%
ND
Mussarela
22%
62%
90%
48%
Parmesão
25%
89%
177%
51%
Fundido Pasteurizado
22%
46%
84%
47%
Prato
25%
60%
105%
48%
Provolone
23%
65%
90%
53%
Requeijão
20%
17%
86%
100%
 
* Valores médios baseados em uma dieta de 2500 Kcal. Fonte: Flora Lys Spolidoro Projetos e Marketing Nutricional

Vale a pena reafirmar que o valor nutritivo dos queijos deve ser sempre considerado em uma dieta equilibrada. O conteúdo de todos os nutrientes devem ser avaliados frente a outros alimentos em quantidades habituais de consumo.
 
Uma palavrinha sobre mitos e MITOS
 
1. Queijos amarelos são gordurosos – A cor do queijo é dada por um corante natural chamado Urucum, usado no mundo inteiro. Ele acrescenta ZERO gramas de gordura a um queijo.
 
O que determina o valor dos nutrientes nos queijos é a quantidade de leite por pedaço: em média, um quilo de requeijão é feito com 3 litros de leite, um quilo de minas frescal é feito com 6,5 litros de leite e um quilo de queijo prato é feito com 9 litros de leite.
 
Logo quanto mais leite por pedaço, mais proteína, mais cálcio, mais vitaminas e mais de outros minerais.
 
2. Queijo contêm muito colesterol, coma só queijo branco ou cottage – Já foram identificados mais de 400 ácidos graxos no leite, muito complexos para serem simplificados com a recomendação acima. Sim, os ácidos graxos dos queijos são predominantemente saturados, mas não atuam de forma semelhante. Os mais presentes nos queijos são: ácido esteárico, que não tem nenhum influência sobre o colesterol, o palmítico e o mirístico, que podem até aumentar o colesterol ruim, o LDL, mas também aumentam a concentração do bom, o HDL. E há ainda o CLA, ácido linoleico conjugado que é parente do ômega 3 e ômega 6, reconhecidamente benéficios na perda de gordura abdominal. (Veja no site artigo sobre o colesterol e a gordura nos queijos, Visão Bioqúimica)
 
Logo, os cientistas para falar de um estudo bem moderno e atual* não encontraram uma conexão entre consumir lácteos e o aumento de doenças cardíacas.
 
Queijos devem ser consumidos na dieta de forma equilibrada como qualquer outro alimento e de tipos variados para balancear o consumo de proteína, cálcio, vitaminas e gordura.
 
“Quem em geral tira leite e derivados (de uma dieta) dificilmente coloca outras fontes de proteína no lugar” afirma a nutricionista Marcia Gowdak, diretora do Depto de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de S.Paulo. “Nesse cenário quem reina é o carbohidrato. Ora o iogurte é substituído por torradinhas, o leite dá espaço para os sucos e por ai vaí” completa. Em geral se substituem lácteos por itens refinados e com açúcar – que aumenta a concentração de moléculas de colesterol ruim LHL.
 
3. Há outras fontes de cálcio que podem substituir o queijo – Sim há. A mais citada são os vegetais verde escuros: brócolis ou espinafre. A diferença está no aproveitamento do cálcio ingerido. “Se o cálcio vem do leite, 30% dele é absorvido. Se for proveniente de vegetais, a exemplo do brócolis, esse valor cai para 5%”, compara a nutricionista Lígia Martini, professora da Faculdade de Saúde Pública da USP.
 
No dia a dia isso significa que para incorporar a mesma quantidade de cálcio ofertada por um quilo de queijo prato deve-se comer 162 porções de brócolis ou para cada 100g de queijo prato, exemplo deve-se comer 16,2 porções de brócolis ou 57,6 porções de espinafre, se usarmos o cálculo de absorção do cálcio exposta pela Dra Lígia.
 
As proteínas do leite e de seus derivados também tem alta biodisponibilidade sendo 95% o seu aproveitamento para o organismo. Sugerimos a leitura nesse site do artigo 10. Queijo como alimento funcional, para entender as inúmeras funções das proteínas do leite.
 
Fontes: Queijo todo dia é vida mais sadia – Editado por ABIQ com a consultoria da nutricionista Flora Lys Spolidoro, diretora da Day by Diet A redenção do Leite por Thaís Manarini, publicado por ABLV Associação Brasileira das Indústrias de Queijos.


Voltar

ABIQ Associação Brasileira das Industrias de Queijo

Praça Dom José Gaspar, Nº 30, 10º andar
01047-901 - São Paulo - SP
Tel.: (11) 3259-9213 / 3259-8266 / 3120-6348